Quem sou eu

Minha foto
Campinas, SP, Brazil
Bem vindos! Me chamo Ricardo e sou campista desde menino. Apaixonado por uma barraca e pela natureza, quando o assunto é camping viro menino novamente. Hoje tento transmitir um pouco dessa paixão para minha família. E porque não transmitir essa paixão a mais pessoas? Por isso criei esse espaço, para contar as nossas histórias e experiências, trocar idéias, informções sobre campings, equipamentos e acessórios, e fazer amigos. Espero que gostem e que aqueles que buscam incentivo para a prática do campismo, encontre isso aqui. Abraços. Camping & Família

Pesquisar este blog

Carregando...

30/06/15

Estamos de volta, o repeteco.

Salve pessoal, com vão?

Dando continuidade a história de nosso regresso, nos dias 30 e 31 de Maio nós fomos acampar no Zé Roque em Joanópolis junto com o pessoal do "Os Costas", porém no sábado a noite fomos surpreendidos por uma chuva que durou toda a madrugada e o domingo inteiro, o que nos levou a deixar nossas barracas montadas no camping para retornar na quarta-feira dia 3 e curtir o feriadão de Corpos Christi.

Nessa segunda parte de nosso regresso , além do pessoal do "Os Costas" nos acompanharam também o Tiago do Blog "Trips Nature" e a sua nova companheira, a Carol, que passaria pelo perigoso ritual de aprovação dos amigos. Olha só a responsabilidade hein!?

Bem nós chegamos primeiro, pouco depois o Edu e sua trupe e por último o Tiago. Como as barracas e o equipamento já estavam lá foi só descarregar as compras e as malas e dar início à preparação dos hambúrgueres na churrasqueira. 

Quando chegamos já haviam outros amigos campistas montando suas barracas, e ao longo da noite e do dia seguinte muitos outros foram chegando para o feriado. O camping não chegou a lotar, nessa época de frio são poucos os loucos que gostam de se enfiar no mato para curtir o clima do inverno.


   
No dia seguinte aproveitamos a onda de saúde e esportiste que nós todos estávamos e subimos mais uma vez ao topo da cachoeira, mas dessa vez a galera se empolgou e fomos todos parar dentro da água que estava muito, muito, muito, muito gelada.




  

No retorno ao camping, muita diversão para todas as idades e churrasco. 



As noites muito geladas eram propicias para uma fogueirinha e uma bebida quente à luz do luar além de muita besteira e risadas. No Zé Roque não é permitido fazer fogueira, mas coma  autorização deles nós usamos uma churrasqueira quebrada que tinha lá, colocamos ela sobre um tijolão e acendemos o fogo ali dentro para não estragar a grama. 




Nós tínhamos nos programado para ir embora na sexta feira mas uma conspiração muito bem tramada fez com que a Laryssa mudasse de ideia, é claro que eu não precisava ser convencido de nada. 



Então com mais um dia pudemos nos divertir com as crianças e levar a Carol para conhecer a cachoeira mas do lado de baixo dessa vez e depois curtir mais um pouco do camping.  





  

 




E foi isso, feriado perfeito com amigos perfeitos. Ah!!! Carol.... Aprovadíssima, bem vinda ao grupo.

Até a próxima.

Camping & Família. 

22/06/15

Estamos de volta - Parte 1

Saudações campistas à todos.

Depois de um longo tempo de introspecção sem postar nada estamos de volta. E qual seria a melhor forma de voltarmos? Com uma boa acampada e o lugar escolhido já é muito bem conhecido por nós e por muitos leitores. Eu já perdi a conta de quantas vezes já acampamos lá, mas é sem dúvidas o meu camping preferido, o Zé Roque em Joanópolis,SP. Quem quiser saber mais sobre esse camping é só olhar aqui na coluna ao lado esquerdo, "lista dos camping onde estivemos" e clicar sobre o nome dele.

O retorno aos gramados foi tão bom, mas tão bom, que fomos obrigados e fazer um repeteco três dias depois (eu já explico conforme conto sobre a acampada), e não foi só pelo lugar mas também pela companhia de pessoas maravilhosas que temos a honra de ter como amigos.  

Bom vamos aos fatos. Escolhemos acampar no final de semana que antecedeu o feriado de Corpus Christi, dias 29, 30 e 31 de Maio e nesse primeiro momento nos acompanharam nossos queridos amigos do blog Os Costas, Eduardo, Andreza, Dudu e Iza. Chegamos já de noite e tivemos o camping inteiro só para nós. Montamos as barracas e demos inicio a comilança, depois fomos dormir com aquele frio que eu adoro.

Amanhecemos no paraíso, o sol nascendo por de trás do morro e os raios que passavam pelas copas das árvores riscavam o ar em meio ao vapor que subia do riacho, o frio ainda gelava o rosto e o cheiro do fogão a lenha nos convidava a tomar um cafezinho quente à beira do rio para apreciar esse cenário. O camping sofreu algumas mudanças, singelas porém perceptivas para quem está acostumado a ir lá, mas no contexto geral tudo estava como sempre. Infelizmente não sou um bom fotografo para captar em imagens o que acabei de descrever.








Dessa vez nossa rotina foi diferente. Sempre que íamos acampar nos limitávamos a ficar no camping e dar pequenos passeios para ver a cachoeira, andar de pedalinho e descer na tirolesa, isso porque tanto a Malu como o Dudu e a Iza eram muito pequenos, não que não sejam ainda, mas agora já da para arriscar novas aventuras e então decidimos subir a trilha até o topo da cachoeira, coisas que nunca fizemos. Pegamos umas garrafinhas de água, colocamos nossos bonés e lá fomos nós.

O Caminho é curto, se não me engano da uns 3 km ida e volta, mas é muito ingrime e tem trechos com bastante pedras soltas no chão. Fomos bem devagar para não judiar das crianças mas confesso que a mais animada que ficou o tempo todo na frente e falando pro pessoal ir mais rápido foi a Malú.


Logo na saída do camping as paisagens já nos contagiavam e convidavam a continuar em frente para ver o que vinha a seguir e assim que atravessamos a ponte uma surpresa, descobrimos uma nova área de camping que pertence ao Zé Roque também. Eles a criaram para os dias de superlotação que são comuns no verão, não nessa época.


  








Já perto da cachoeira a trilha fecha dentro do mato, mas é um trechinho muito pequeno até chegarmos na primeira queda. Nesse lugar é possível tomar um banho, mas dessa vez ninguém se aventurou e só ficamos admirando o espetáculo da natureza. Em um outro sentido também por uma trilha pequena você chega até um mirante bem no topo da cachoeira principal, aquela que se vê lá de baixo da um frio na barriga ir até lá. 



 




Já era hora do almoço e fome começou a pegar então fomos embora e como pra baixo todo santo ajuda, a descida foi bem mais rápida que a subida. Dai por diante se restabeleceu  a tradicional rotina campista, fizemos um churrasquinho e ficamos durante toda a tarde tomando nossa cervejinha a beira do rio e vendo as crianças brincarem, e até rolou um momento yoga.










A noite chegou e com ela o frio e uma chuva que não havia sido prevista por nenhum sites de previsão do tempo nos surpreendeu e prosseguiu durante todo o domingo. Na manha seguinte preguiça de desmontar acampamento de baixo de chuva e guardar as tralhas molhadas fez surgir a extraordinária ideia de deixar tudo lá montadinho e voltarmos na quarta a noite para o feriado de Corpus Christi. É claro que não houve resistência nenhuma sobre essa ideia e então partimos.

Continua...

Abraços.
Ricardo & Família